EJ - Escola de Aviação Civil


Notícias

Central de agendamentos e reservas de voos.

Painel de agendamento do aluno


 Através de uma central de reservas a EJ  controla e confirma os voos agendados pelo sistema Flight Center , respeitando as solicitações e organizando de forma que nossos alunos conseguem realizar os voos sem interrupções, melhorando o aproveitamento e desenvolvimento durante o curso.

A Central da escala fica em Itápolis e atende nos seguintes horários:
-06:00 as 22:00 em dias úteis;
-08:00 as 18:00 sábados , domingos e feriados.
Contatos: escalas@ej.com.br e Telefone direto: 16 3262 7353
Atendentes: Mariana, Rafaela e Fabiana.

Fora destes horários, os alunos poderão deixar recado na secretária eletrônica que serão atendidos imediatamente no início do expediente. Voos cancelados por motivo meteorológicos ou por qualquer motivo, os alunos são avisados para evitar deslocamento de suas residências para a escola, gerando transtornos e gastos desnecessários.

É assim que trabalhamos, respeitando os clientes e melhorando cada vez mais a Segurança e Qualidade.Convidamos voce para voar conosco e seguir numa carreira sólida e de sucesso.

Bons voos.




Publicado em 13/09/2011


Vídeo: conheça nossos aviões,
simuladores, infraestrutura e saiba
mais sobre a nossa escola

Confira o vídeo


    Mural Informativo


  • Com mercado aquecido, EJ Jundiaí contrata mais três novos instrutores

    Após a unidade Itápolis da EJ contratar cinco novos instrutores, a Base Jundiaí da EJ contratou mais três para integrarem seus quadros, somando oito o total deste processo de contratações no início de ano em toda a EJ. Os novos instrutores visam repor os INVAS que estavam em atividade pela escola e foram contratados por companhias aéreas por já terem experiência suficiente para assumirem cargos em aviões de grande porte. “Ser instrutor de voo é um dos caminhos para o piloto comercial adquirir horas de voo e poder prosseguir em sua carreira”, afirma Josué Andrade, diretor da EJ. As contratações ocorrem durante um bom momento da aviação, com companhias aéreas anunciando um ano de retomada no mercado de trabalho. A Azul Linhas Aéreas, por exemplo, anunciou planos de contratação de 130 comandantes, 250 copilotos, além de promover 412 pilotos. “Os novos instrutores começam dando aulas nos Cessnas 152 apenas em voos diurnos, depois, com mais horas de voo e experiência, seguem evoluindo de equipamentos e de nível de instrução, chegando a dar aulas de operações noturnas de aproximação por instrumentos em painéis Glass Cockpit nos Cessnas 172, e aulas em aeronaves multimotoras como o Seneca”, explica Carlos Henrique Buran, gerente técnico de segurança operacional de voo da EJ Jundiaí. Conheça os perfis: Victor Augusto Idesti da Silva, 23, é natural de Santo André-SP, fez todos os cursos na EJ, desde o piloto privado ao curso de instrutor de voo. “A aviação veio meio que por acaso, eu sempre gostei de engenharia, queria cursar engenharia mecânica ou aeroespacial quando mais novo, mas aos dezesseis fiz um voo no Aeroclube de São Paulo e decidi ser piloto”, afirma. “Meu objetivo é a linha aérea e conhecer o maior número de culturas e lugares possíveis, além de voar os maiores aviões que eu puder em diversos países do mundo”. Paulo Eduardo Pereira Junior, 27, é natural de Piracicaba-SP. É graduado em Engenharia Agronômica pela ESALQ, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da USP Piracicaba e fez pós graduação em Administração pela IBE FGV, da Fundação Getúlio Vargas. Na aviação conquistou sua primeira habilitação, a de piloto privado, no Aeroclube de Piracicaba. “Já na graduação iniciei as aulas de piloto privado, dando continuidade ao sonho com a realização dos cursos de piloto comercial e instrutor de voo na EJ”, diz. “A paixão pela aviação remonta da minha juventude, sempre gostei da aérea, em especial das máquinas. Desde jovem, pretendia ser piloto profissional”, afirma. “Meu objetivo na aviação é ingressar em uma linha aérea, fazendo carreira e angariando o cargo de comandante”. Gustavo da Costa, 23, é natural de São Paulo-SP. Graduado em Aviação Civil pela Universidade Anhembi Morumbi, realizou os cursos de piloto privado, comercial, voo por instrumentos e de instrutor de voo na EJ. Durante a faculdade trabalhou na Gol Linhas Aéreas por um ano fazendo atendimento de passageiros no aeroporto de Congonhas. Ainda durante a Gol foi promovido para despachante técnico onde era responsável pelos cálculos de peso e balanceamento dos voos da companhia. O Interesse em aviação? “Surgiu ao realizar minha primeira viagem de avião por volta dos 13 anos. Depois da decolagem, me despertou a paixão pela aviação e a partir daí nunca mais fiquei longe de aeronaves”, conta. “Meu objetivo é ingressar em uma linha aérea e voar até não poder mais”, diz. “E quem sabe algum.dia proporcionar a algum garoto a mesma experiência e paixão que tive aos 13 anos ao entrar em uma aeronave pela primeira vez”.

  • Unidade Itápolis da EJ contrata cinco novos instrutores

    Com o aquecimento do mercado e muitos dos instrutores da EJ sendo contratados por linhas aéreas, a unidade Itápolis contratou cinco novos instrutores que já iniciaram seus voos de instrução na unidade no início do mês. Saiba quem são: Renê Martins Libone, 24 anos, é natural de São Paulo, graduou-se em Aviação Civil pela Anhembi Morimbi e pós em Marketing Estratégico pela Mackenzie. Fez todos os cursos práticos do piloto privado ao curso de instrutor de voo nas unidades Itápolis e Jundiaí da EJ. “Desde a minha primeira viagem de avião comercial eu percebi que minha paixão estava em voar”, diz. “Foi numa palestra aos 16 anos que eu descobri que seria possível seguir com essa carreira. O sonho sempre esteve em mim, mas a partir desse idade tive total apoio moral e financeiro de todos da minha familia”, complementa. César Capel Taveira, 29 anos, é natural de Franca-SP, fez todos os cursos teóricos e práticos na EJ base Itápolis e o Jet Training na EJ base Jundiaí. Está cursando faculdade em Marketing. “Descobri minha paixão na primeira vez q entrei em um Fokker 100 da Tam no ano de 2002 no aeroporto de Guarulhos com destino a Salvador. A emoção foi tão grande q sem querer eu quebrei a trava da mesa. A comissária, brincando comigo, disse que aquele estrago custaria tão caro para empresa que eu teria q trabalhar para a Tam quando crescesse. Nesse dia eu me apaixonei pela aviação e desde então eu persigo meu sonho e o compromisso firmado com a comissária”, diverte-se. Carlos Alberto Souza dos Santos Filho, 27 anos, é natural de Goiânia. Graduou-se em Educação Física pela Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, onde cresceu. Fez toda sua formação aeronáutica na EJ, base Itápolis. “Quando era menor pensava ser algo distante, de qual não conseguiria fazer parte devido à sua especificidade. Tive oportunidades de voar bastante, pois minha infância foi no Japão, porém, achava que era uma profissão difícil de ser alcançada. Mas depois de mais velho, vi que se me dedicasse e fizesse por onde, seria possível sim me tornar um profissional dessa linda área, da qual todos sonham quando criança, que é a de poder voar livremente pelos céus. Me entusiasma poder fazer parte da maior escolada de aviação civil da América Latina, contribuindo com a formação de novos pilotos brasileiros e de outras nacionalidades.” Joel Lopes Menezes, 22 anos, é natural de Presidente Prudente. Fez o curso de Piloto Privado no Aeroclube de Araraquara e os profissionalizantes na unidade EJ de Jundiaí. “Desde pequeno fui apaixonado por máquinas. Quando era muito novo, gostava de trens e queria ser maquinista. Porém, com cerca de 8 anos, me apaixonei pela aviação e percebi que gostaria de ser piloto, e que seria a profissão que me realizaria. Esse sentimento foi aumentando até quando concluí o ensino médio, e tive a certeza de que queria seguir essa carreira”, conta. João Victor Gandra Junqueira Gomes, 21 anos, é natural de Barretos-SP. Cursa faculdade de Ciências Aeronáuticas pela UNISUL, realizou todos os treinamentos na EJ. “Sou apaixonado pela aviação desde criança. Durante toda minha juventude, eu e meus pais frequentávamos o aeroporto municipal e foi ali que decidi ser piloto. E então após acabar o colegial, eu dei início à minha carreira na aviação”, diz. “Meu objetivo na aviação é ingressar em uma linha aérea ou em um táxi aéreo, sempre buscando aumentar minha experiência e chegar ao cargo de comandante”, complementa.

  • Thales Canesin, instrutor da EJ e pai da Sophia, futura pilota, é contratado pela LATAM

    Thales, 27, foi contratado pela LATAM para ser piloto de A320. Ele atuou como instrutor de voo da EJ de 2014 até o fim de 2017. Voou quase 1400 horas em diversas aeronaves da frota da escola, mas durante esses três anos, um voo foi o mais especial de todos: a passageira era sua filha, Sophia, de 4 aninhos de idade. “Ela ficou em êxtase, ela vibrava. Até hoje ela fala daquele primeiro voo”, afirma. O passeio ocorreu durante o Itápolis Airshow de 2015, evento que contou com uma rasante de um avião de grande porte. “Primeira vez que eu vi a passagem baixa de um 727 e no mesmo dia levei minha mãe, meu pai e minha filha pra voar, então esse foi um dia muito tesão”, entusiasma-se. Canesin, assim como Sophia agora, desenvolveu sua paixão por aviões logo cedo. “Cara, é aquele clichê de todo aviador, desde criança meus brinquedos sempre foram avião. Meus tios e tias sempre falam que era fácil me agradar porque só precisavam dar aviões de presente”, diverte-se Thales. Com o passar dos anos a paixão cresceu juntamente com a certeza de que aquele universo era seu objetivo. Assim que teve idade, em 2008, Thales iniciou o curso de Ciências Aeronáuticas na UNOPAR - Universidade Norte do Paraná, e logo após a graduação, em 2010, fez seu curso de piloto privado no Aeroclube de Londrina. Com o diploma e o brevê conquistados, buscou uma oportunidade no mercado de trabalho já na área de aviação. “Apesar de longe de um cockpit, atuei no setor comercial de uma importadora de aeronaves e pude adquirir um conhecimento fantástico sobre aviação geral, legislação internacional e aviônicos”. Após dois anos de trabalho intenso na importadora, Canesin decidiu dar continuidade em sua profissionalização como aviador: “Minha mãe sempre soube que eu curtia e fez tudo que podia pra poder me dar uma boa formação, tanto que a escolha da EJ foi porque ela me perguntou onde era a melhor escola pra eu me formar”, explica. Durante o ano de 2013, Thales fez os cursos de Piloto Comercial, Multimotor, voo por instrumentos, de instrutor de voo e conseguiu se encaixar nas operações de voos da EJ Itápolis onde proporcionava o suporte necessário para os voos de instrução realizados na escola. “Esta experiência foi de extrema importância em minha formação, pois ao lidar com todo esse paperwork, pude aprender sobre os mais diversos aspectos burocráticos que envolvem a operação de uma escola de aviação civil”, afirma. Após um ano de trabalho em solo, Canesin já teve a oportunidade de juntar-se ao quadro de instrutores de voo da escola, onde voou os Cessnas 152, 172, Corisco e deu aulas em simuladores. “Sem dúvidas os voos mais prazerosos que pude fazer na EJ foram a bordo do Corisco Turbo. Além de uma incrível máquina, os voos, geralmente, eram de navegação para locais que ainda não conhecia“, afirma. Canesin, quando instrutor, gostava do momento, muitas vezes mágico, de seus alunos, que é liberá-los para seus primeiros voos solo. “Sempre foi um grande prazer poder fazer parte deste passo tão importante na vida de cada pessoa que pude compartilhar o cockpit”, afirma. “O voo solo proporciona ao aviador um momento único e eleva seu nível de auto confiança. Algumas pessoas perguntavam se ficava ansioso quando liberava algum voo solo mas na verdade sempre me mantive tranquilo, pois só permitia tal voo com a certeza de que o aviador havia atingido o nível técnico e emocional necessário para tal”, complementa. Canesin agora inicia seus cursos nos simuladores de Airbus A320 em Miami, EUA, antes de iniciar os voos de linha pela companhia, transportando passageiros por todo Brasil. Se Sophia deseja aprender a voar? “Isso é um negócio que ela fala, diz que quer ser pilota como o pai, mas nunca foi por eu falar, sempre deixei ela bem livre pra ter os próprios gostos”, afirma. A EJ agradece a dedicação de Thales pelo tempo dedicado ao ensino, deseja boa sorte neste importante passo em sua carreira, e assume desde já o compromisso de abrir um bom Champagne quando ocorrer o do primeiro voo solo de Sophia.

Tel.: Itápolis-SP: 55 16 3263-9160 - Jundiaí-SP 55 11 4815-1984

São Paulo-SP 55 11 3459-5233 - Campo Verde - MT 55 66-3419-1510