EJ - Escola de Aviação Civil


Aeronaves

Cessna 152 Aerobat


O Cessna 152 certificado para treinamento básico de acrobacia aérea

O Cessna 150 e 152 tornou-se a mais popular aeronave civil de treinamento no mundo, bem como também se tornou uma aeronave popular de lazer para pilotos de fim de semana. A série Aerobat, com maior resistência estrutural para suportar carga G de até 6 positivos e 3 negativos, além de portas ejetáveis e cintos de segurança de 5 pontos, é certificada para executar chandeles, curvas acentuadas, tunôs, snap rolls, looping, oito preguiçoso, parafusos, immelmann, oito cubano e estois.

Ele é usado no Curso de Piloto Privado e Curso de Piloto Comercial como voo básico e no Upset Recovery, para treinamento de entrada e saída de parafusos entre outras manobras.


Ficha técnica

Assentos 2
Motor Lycoming
Potência 110 hp
Comprimento 7,96m
Envergadura 11.10m
Altura 2,86m
Peso máximo de decolagem 745kg
Velocidade de Cruzeiro 85kt (157km/h)
Velocidade máxima 111kt (206km/h)
Combustível 98,4L
Carga G suportada +6 / -3

Veja mais fotos



Aluno agenda voo pela internet.
Conheça o Flight Center e entenda
como ele facilita a vida do aluno piloto

Conheça o Flight Center


    Mural Informativo


  • Comunicado - EJ Escola de Aviação e EJ Faculdade de Tecnologia

    Atendendo as disposições do decreto n°64.862 publicado em 13 de março de 2020 e em concordância com as disposições veiculadas pelo Ministério da Saúde e da Educação, a EJ Escola de Aviação Civil e EJ Faculdade de Tecnologia de Aviação Civil informa aos seus alunos e professores, que em virtude dos Procedimentos Especiais adotados pela Escola no tocante ao combate à pandemia do Covid-19 (Coronavírus), a partir do dia 18 de março de 2020, todos os cursos teóricos presenciais estarão suspensos por um período inicial de 15 dias, podendo ser prorrogado por igual ou maior tempo. Neste momento torna-se necessária ações conjuntas entre escola, família e comunidade a fim de enfrentar e combater a propagação do vírus e suas consequências à saúde de todos. Portanto, fiquem atentos aos cuidados especiais: - Lavar as mãos com frequência, utilizando água e sabonete por pelo menos 20 segundos; na ausência destes itens, utilizar álcool gel 70% para higienizar as mãos; - Evitar aglomerações de pessoas;– Ao tossir ou espirrar, utilizar um lenço descartável, que deve ser jogado após o uso;– Manter distanciamento de pessoas com sintomas de gripe ou resfriado;– Manter os ambientes limpos e desinfetados;– Evitar tocar no nariz, boca e olhos;– Fora de casa, evitar tocar objetos e superfícies.A EJ manterá seus alunos e professores atualizados sobre qualquer informação, através de e-mails, site e redes sociais.Contamos com a colaboração de todos.A Direção.

  • Doe seus livros usados para nossa biblioteca e ganhe uma camiseta EJ!

    Todo mundo tem aquele livro de aviação que usamos lá no início de nossa formação como Piloto Privado e Piloto Comercial, mas que hoje está lá na estante, sem função. Talvez até tenha sua função estética, mas pode ser muito mais que isso!Agora você tem a oportunidade de proporcionar as mesmas experiências para outras pessoas doando o seu livro para a EJ. Toda obra será repassada para a biblioteca da Faculdade EJ e tem o objetivo de facilitar e ajudar na formação dos futuros aviadores. Estaremos aceitando todos os livros voltados para Aviação, sendo eles didáticos de formação, história da aviação ou até mesmo de assuntos indiretamente ligados como psicologia na aviação, gestão, medicina Aeronáutica, entre outros.Os livros devem ser encaminhados para a unidade da EJ de Itápolis, a cada 3 livros doados você receberá uma camiseta da EJ como brinde. Os livros devem estar em bom estado de conservação, não serão aceitos materiais sujos, mofados, rasgados, rabiscados, manchados, com páginas amareladas, folhas arrancadas ou com carimbos institucionais. Contribua já para a formação dos futuros pilotos e para o acervo da EJ!Enviar para:EJ Escola de Aviação Civil Rua Paraná 450 - CEP 14900-000 Bairro Área Industrial III Itápolis- SPEntrega presencial nas Unidades de Itápolis, Jundiaí, Americana ou Campo Verde, ou ainda entre com contato conosco pelo Whatsapp (16) 99749-7970 ou (16) 3263-9160, para combinarmos a coleta. Agradecemos a colaboração e esperamos sua visita em qualquer Unidade EJ.Voe mais alto!

  • Aos 33 chutou tudo e foi seguir seu sonho. Agora, aos 42, vai pilotar Boeings 737

    Leandro Aredes de Azevedo, todos os dias, acordava bem cedo, tomava um banho, vestia uma calça social, camisa com logo da da empresa, calçava sapatos devidamente engraxados, penteava o cabelo e ajudava seus dois filhos a se arrumarem com o uniforme da escola.Com todos arrumados, seguia para a cozinha, onde preparava o café e o achocolatado das crianças. Sua esposa cortava os pães para fazer os lanches, que variavam entre presunto, queijo, manteiga e margarina. Na televisão, enquanto tomavam o café da manhã, assistiam as últimas notícias do programa Bom Dia Brasil.Vinte minutos depois, descia com as crianças para a rua onde aguardava a perua que as levavam para a escola. Logo ele pegava o ônibus fretado que seguia pela Piaçaguera Guarujá. O ônibus o levava até a siderúrgica da Cosipa/Usiminas, no polo industrial de Cubatão, onde trabalhava há 14 anos, desde quando completou a maioridade. Exatamente 1h30 minutos depois de desligar o despertador, às 7:00 em ponto, entrava no centro de controle operacional, onde trabalhava na programação de processo de fabricação de aço. Seu trabalho envolvia definir os usos dos materiais em cada momento do processo industrial.Na Cosipa, Azevedo começou como aprendiz júnior. Logo depois foi para operador trainee, foi subindo alguns cargos e já era líder de equipe. Já era certo que em cerca de mais um semestre seria elevado ao cargo de supervisor. A empresa fornecia um bem elaborado plano de carreira. Quando terminasse a faculdade de engenharia de produção, a qual Leandro cursava à noite, na UNIP Santos, teria muito mais avanços e salários melhores. Ele já estava no quinto período. Nos fins de semana sempre havia um passeio com as crianças na bonita orla da cidade. Não raramente, aos sábados, ia com os amigos e filhos torcer para o Santos, na Vila Belmiro.Seu apartamento já estava pago. A empresa fornecia um bom plano de saúde para toda a família, estabilidade, e diversos outros benefícios, como clubes de funcionários. Ele tinha planos para, depois de formado e com as promoções que ocorreriam, comprar uma casa maior.Leandro construía uma vida seguindo um script de comercial de margarina, mas assim como muitos casais que se casam muito jovens, o relacionamento ficou desgastado e desmoronou. Era 2011 e ele tinha 33 anos de idade. “Estava passando por um momento difícil da vida. Meus filhos não estavam morando mais comigo”, relembra.Com uma nova rotina, sem a convivência diária com filhos, achando tudo monótono, tomou uma atitude drástica, resolveu desmoronar a carreira também e seguir seu sonho: ser piloto de aviões. “Sempre quis, mas a vida leva para outros caminhos, sabe?”, comenta.Entrou em contato com um primo, comandante da Latam, e pediu uma dica de como começar. “Quando decidi, ele disse para ir pra EJ”. Menos de um mês depois, em janeiro de 2011, estava sentando em uma das salas de aula da EJ Jundiaí. Ali começava o primeiro beabá: o teórico de piloto privado. A família apoiou, mas com certo receio. “Foi sonho. Misturado com coragem de sempre acreditar que ia dar certo”, afirma Azevedo.Foi uma jogada ousada: investir suas reservas, sem certeza de retorno, nos caros cursos de aviação, e sem emprego. Em pouco menos de um ano e meio, em dedicação integral, já havia concluído o curso de piloto privado e comercial. As reservas acabaram e ele vendeu seu carro. “Meu pai tinha uma cgzinha e me emprestou”, conta. Logo ele fez o curso de INVA (Instrutor de voo), e no fim de 2012 já foi contratado como instrutor para dar aulas teóricas e práticas na unidade Jundiaí. “Entrei de corpo e alma para a aviação, mesmo”, afirma.Com bom desenvolvimento, logo tornou-se instrutor sênior, dando aulas práticas em todos os modelos da escola, do Cessna 152 até o bimotor Seneca. Em 2015, já com 1400 horas de voo, Azevedo foi para aviação executiva, retornando para o quadro de instrutores da EJ em julho de 2019.Durante os seis meses que trabalhou na sua segunda passagem pela instrução, priorizou as aulas nos simuladores de voo, focando nas seleções de companhias aéreas. Entre voos práticos e simuladores, ensinou por mais cerca de 200 horas.Já com mais de 2 mil horas de voo, foi contratado, agora em janeiro, pela Gol. Azevedo está no momento fazendo ground school do Boeing 737-800. Em breve, fará aulas no simulador da companhia para, na sequencia, terminar a instrução de voo prática, já em rota, com passageiros. “Uma emoção muito grande de ver a grandeza da coisa. A ficha cai, depois não cai, fica flutuando. Mas é muita coisa pra estudar, não dá tempo de ficar filosofando”, afirma.Agora, aos 42, casado novamente, depois de uma mudança total de rumos e ares, começa em breve com uma nova rotina, bem diferente de ir para Cubatão diariamente: voar para o Brasil e América Latina pilotando um grande avião a jato. Vale a pena sair da zona de conforto para correr atrás de um sonho? “Não me arrependo nem um minuto, cara”.A EJ agradece a Azevedo pelo tempo dedicado ao ensino e deseja bons voos na Gol!


Homologação ANAC
Número 051

DOU 03/05/18

QUALIDADE
ISO 9001:2015

Tel.: Itápolis-SP: 55 16 3263-9160 - Jundiaí-SP 55 11 4815-1984

Campo Verde - MT 55 66-3419-1510