EJ - Escola de Aviação Civil


Aeronaves

Pawnee


Aeronave agrícola leve

O Pawnee é uma aeronave agrícola leve. Fabricada com o objetivo de realizar pulverizações em áreas irregulares e pequenas, tem sua aerodinâmica voltada para o voo em baixa altura e com ótima visibilidade. É utilizada na fase avançada do Curso de Piloto Agrícola.


Ficha técnica

Assentos 1
Motor 1 Lycoming
Potência 235 HP
Comprimento 7,43m
Envergadura 11,02m
Altura 2,19m
Peso máximo de decolagem 1317kg
Velocidade de Cruzeiro 91kt (170km/h)
Velocidade máxima 102kt (188km/h)
Hopper 567L
Combustível 137

Veja mais fotos



Aluno voa e navega solo. De verdade.
Este é um princípio de formação de
aviadores na EJ Escola de Aeronáutica

Ver Video


    Mural Informativo


  • Aeropersonnel Global and EJ partnership announcement

    EJ Escola de Aeronáutica Civil is pleased to announce its appointment by AeroPersonnel Global as its exclusive representative for Latin America. EJ Escola de Aeronáutica Civil, in partnership with AeroPersonnel Global, will help Brazilian airline pilots find employment on worldwide flight crew labour markets. It will also provide assistance to Brazilian candidates in preparing, in Brazil, for their interviews and evaluations with foreign airlines. This includes pre-screening as well as post screening assistance such as with premedical exams, preparatory flight training, background check and visa documentation assistance. In China, as communications are more difficult, AeroPersonnel has established a network of local Chinese representatives to assist its candidates with their screening, when they join their new airline and during their period of service in China. Many developing countries are seeing a rapid expansion of their air transportation industry. As a result, they are experiencing significant pilot shortages. This is why they rely on foreign pilots to fill the gap and let them continue to grow. This has created intense competition for foreign pilots. For instance, Chinese airlines offer exceptional remuneration to attract foreign pilots join. In certain instances, remuneration can reach up to half a million dollars US per year before tax. “We are proud to be working with AeroPersonnel Global” indicated Edmir Gonçalves, EJ Escola de Aeronáutica Civil’s CEO. “AeroPersonnel Global is a world class aviation recruitment agency. It is very experienced with international flight crew labour markets, having been in operation for close to 20 years, of which more than 10 years include experience recruiting for Chinese airlines. It is also quite familiar with Brazilian pilots and their high standards. Starting in 2005, it had opportunities to recruit so many of them for its customers in Asia, Africa and the Middle East. “We are thrilled to welcome EJ Escola de Aeronáutica Civil in our worldwide network of representatives” said Andre Allard, AeroPersonnel Global’s president. “This partnership will be of benefits to our Brazilian candidates as it will help them find prime airline employment around the world. It will also benefit candidates by providing them with high quality preparation training and documentation assistance while going through the recruitment process with our customers.” EJ Escola de Aeronáutica Civil is the largest pilot flight training organization in in Latin America. Founded in 1999, the company has gained recognition as one of the finest educational flight training facilities throughout Latina America. Certified under the Brazilian National Agency of Civil Aviation as an approved pilot school, it operates four bases, Itápolis, Jundiaí, Campo Verde and São Paulo. EJ Aviation Flight School keeps the highest standards of training, with a fleet of 64 aircraft from two-seater trainers to sophisticated multiengine trainers. The fleet also includes aircraft equipped with the latest in digital cockpit avionics. More than 5,000 pilots who trained with EJ are now flying with major domestic and international airlines, agricultural aviation and executive aircraft operations. It offers training from the ab-initio level up to multi-crew training on Airbus A320 and B737 NG flight simulators. AeroPersonnel Global is an aviation personnel agency specializing in flight crew recruitment and placement. Headquartered in Montréal Canada, the company will celebrate 20 years of operation this coming December. It serves a worldwide customer base and it assists airline pilots around the world. AeroPersonnel has accumulated extensive experience on international flight crew labour markets. Its customer portfolio includes airlines around the world. It has been present in China for more than 10 years starting in 2007. It has been present in Brazil since 2005 and has assisted more than 100 Brazilian pilots to find employment in Africa, Asia and the Middle East. For more information, please contact: In Brazil, Cmte Josué Torres Via phone:+ 55 (11) 97090-2700 - EJ/SP +55 (11) 3459-5233 Via email: cmte.torres@ej.com.br Web site: www.ej.com.br In Canada, Andre Allard Via phone: +1-514-979-7322 Via email: andre@aeropersonnel.com Website: www.aeropersonnel.com

  • EJ passa a fazer recrutamento e seleção para a AeroPersonnel Global

    A EJ Escola de Aeronáutica Civil tem o prazer de anunciar sua nomeação pela AeroPersonnel Global como seu representante exclusivo na América Latina. A EJ Escola de Aeronáutica Civil, em parceria com a AeroPersonnel Global, ajudará os pilotos de linhas aéreas brasileiras a encontrar emprego em mercados de trabalho na aviação em todo o mundo. Também prestará assistência aos candidatos brasileiros, na preparação no Brasil, para entrevistas e avaliações com companhias aéreas estrangeiras. Isso inclui a pré-triagem, bem como a assistência pós-avaliação, como por exemplo, indicação de exames pré-médicos necessários, treinamento de voo preparatório, verificação de antecedentes e assistência em documentação de visto. Muitos países em desenvolvimento estão vendo uma expansão rápida de sua indústria de transporte aéreo. Como resultado, estão enfrentando uma escassez significativa de pilotos. É por isso que eles contam com pilotos estrangeiros para preencher a lacuna e deixá-los continuar a crescer. Isso criou uma competição intensa para pilotos estrangeiros. Por exemplo, as companhias aéreas chinesas oferecem uma remuneração excepcional para atrair pilotos estrangeiros. Em certos casos, a remuneração pode atingir até meio milhão de dólares americanos por ano, antes dos impostos. "Estamos orgulhosos de trabalhar com a AeroPersonnel Global", indicou Edmir Gonçalves, CEO da EJ Escola de Aeronautica Civil. "AeroPersonnel Global é uma agência de recrutamento de aviação de classe mundial. É muito experiente com os mercados de trabalho internacionais para seleção de tripulantes, estando em operação há quase 20 anos, dos quais mais de 10 anos incluem recrutamento de experiência para companhias aéreas chinesas. Também é bastante familiar com os pilotos brasileiros e seus altos padrões. A partir de 2005, teve a oportunidade de recrutar muitos pilotos para seus clientes na Ásia, África e Oriente Médio", diz Edmir. "Estamos entusiasmados em receber a EJ Escola de Aeronáutica Civil em nossa rede mundial de representantes", disse André Allard, presidente da AeroPersonnel Global. "Esta parceria será benéfica para os nossos candidatos brasileiros, pois os ajudará a encontrar o principal emprego de companhias aéreas em todo o mundo. Também beneficiará os candidatos, fornecendo-lhes treinamento de preparação de alta qualidade e assistência documental ao passar pelo processo de recrutamento com nossos clientes". A EJ Escola de Aeronáutica Civil é a maior organização de treinamento de voo na América Latina, formando pessoal especializado para todas as funções de bordo. Fundada em 1999, a empresa ganhou reconhecimento como uma das melhores instalações de treinamento de voo educacional em toda a América Latina. Certificada pela Agência Nacional de Aviação Civil como uma escola pilotos e comissários aprovada, opera quatro bases, Itápolis, Jundiaí, Campo Verde e São Paulo. A EJ Escola de Aeronáutica Civil mantém os mais altos padrões de treinamento, com uma frota de 64 aeronaves de instrução de dois lugares, monomotores e multimotores sofisticados. A frota também inclui aeronaves equipadas com os mais recentes aviônicos do cockpit digital. Mais de 5.000 pilotos que treinaram com a EJ agora estão voando com as principais companhias aéreas brasileiras e internacionais, aviação agrícola e operações de aeronaves executivas. Oferece treinamento desde a formação inicial até o treinamento multi-tripulação nos simuladores de voo das aeronaves Airbus A320 e B737 NG. AeroPersonnel Global é uma agência de pessoal de aviação especializada em recrutamento e colocação de tripulações de voo. Com sede em Montreal, Canadá, a empresa vai comemorar 20 anos de operação em Dezembro/17. A empresa serve a uma base de companhias aéreas clientes em todo o mundo e auxilia os pilotos junto a essas empresas . AeroPersonnel acumulou uma vasta experiência em mercados de trabalho da tripulação de voo internacional. O portfólio de clientes inclui companhias aéreas ao redor do mundo. Está presente na China há mais de 10 anos a partir de 2007. Estabeleceu no Brasil desde 2005 e ajudou mais de 100 pilotos brasileiros a encontrar emprego na África, Ásia e Oriente Médio. Na China, à medida que as comunicações são mais difíceis, a AeroPersonnel estabeleceu uma rede de representantes chineses locais para auxiliar seus candidatos com sua seleção, quando se juntam à sua nova companhia aérea e durante o período de serviço na China. Para mais informações por favor entre em contato: No Brasil, Cmte Torres Via telefone: +55 (11) 97090-2700 e Fixo EJ/SP +55 (11) 3459-5233 Via o email: cmte.torres@ej.com.br Web site: www.ej.com.br No Canadá, Andre Allard Via telefone: + 1-514-979-7322 Via email: andre@aeropersonnel.com Website: www.aeropersonnel.com Read the Press release in english

  • Editorial: o caso do aluno que disse 'negativo' duas vezes em seu primeiro voo solo

    Um vídeo do Canal Piloto, um dos canais no youtube mais famosos sobre formação aeronáutica, está viralizando nas comunidades de aviação e virando sensação. O vídeo tem suscitado um debate interessante sobre o voo solo: até que ponto o a insegurança do novo piloto sobre seus próprios talentos pode atrapalhar seu voo e criar risco? O piloto estava em seu primeiro voo solo. Ele é Luiz Claudio Ribeirinho, membro do Canal Piloto e aluno da EJ Jundiaí. No vídeo ele narra uma situação tensa em seu primeiro voo, onde ele diz “negativo” para uma solicitação da torre de controle, logo em seguida, em outra solicitação, ele também reage da mesma forma. O tema não é uma comemoração de um suposto embate do nós contra eles. O nós, aviadores, contra eles, as autoridades controladoras de tráfego aéreo, como muitos tem interpretado. A pauta é bem mais interessante e analítica. Este voo ocorreu há dois anos atrás. Ribeirinho, Alexandre Sales e Renato Cobel, os produtores do canal, o editaram apenas agora. Antes, sobre o mesmo tema, Ribeirinho já havia feito um vídeo sobre seu voo solo, já publicado, e havia feito um vídeo sobre sua primeira aula. Eles, no canal, contam sua experiência pessoal sendo alunos de aviação, além disso, eles dão dicas, conselhos e fazem análises. Assista e continuamos posteriormente: Luiz Claudio tem 41 anos. Ele sempre teve o sonho de voar. Começou seus voos no curso de piloto privado em novembro 2014. Hoje está quase finalizando, já possui 38 horas de voo, sendo cinco em voos solo. Seu curso foi atípico, ele mora em São Paulo, trabalha com Tecnologia da Informação como gestor de projetos. Ele iniciou seu curso em novembro de 2014 e voa aos fins de semana, fez cerca de 2 horas por mês em média. Alguns períodos ele precisou ficar afastado e em outros pode voar mais. O que é fora do ideal, mas é aceitável e dentro das regras. Ele fez seu primeiro voo solo em setembro de 2015. Ribeirinho fez o correto e nós o aplaudimos por isso. Colocou o a mais alta prioridade, que é a segurança de voo, em primeiro lugar. Muito louvável também a filosofia do Canal Piloto, que assim como a filosofia da EJ, trata de desmistificar a aviação. Eles também tratam a aviação sem o “pano preto”, que é o termo utilizado no meio para quem faz mistério. Tratar sem o “pano preto” significa assumir, como fez Ribeirinho, que somos humanos, que temos nossos receios, inseguranças e ansiedades, coisa que poucos aviadores fariam, por medo de serem taxados ou rotulados de alguma forma. E esse receio é comum. Além disso, é um paradoxo na aviação. Quanto mais o aluno for apaixonado por aviões, ou quanto mais tempo ele demora para se jogar de corpo e alma na atividade, mais grandioso ele acha que é o momento deste voo. E quando você acha que os voos são feitos apenas por “super homens”, por pessoas especiais, mais você se cobra ou acredita que não está preparado. Na filosofia da EJ, todos são iguais. Aqui não temos os escolhidos, os ases da aviação, que podem voar, e os de segunda classe, que não podem voar. Os que são e os que não são aviadores. Todos, a partir do momento que se dedicam, tem a oportunidade de fazer seu voo solo garantida. É nosso princípio. E assim deve ser, senão fracassamos na missão de ser uma escola formadora de aviadores. Existem, claro, posteriormente, os aviadores mais e menos experientes, mas a partir do momento em que todos podem fazer seus voos, são iguais: aviadores. O momento do voo solo é um processo construído com treinamento, aproveitamento e método. Quando o aluno executa todas as tarefas que construíram seu conhecimento aeronáutico de modo satisfatório, onde foi avaliado em cada item de cada lição anterior, é hora de fazê-lo solar. E não importando muito se ele ainda tem algum tipo receio. É como o pai que tira as rodinhas da bicicleta do filho. O pai sabe que o filho é capaz, mas para a criança, é uma grande aventura. Mas é esse o ponto final da construção da auto-confiança, que é uma das últimas fases de conhecimento. Se nós não fizermos o aluno executar seu voo solo, ocorre o contrário da segurança, criamos um aviador inseguro, ou pior, formaríamos profissionais ,que uma hora chegam a pilotar aviões com centenas de passageiros, com uma deficiência em autoconfiança. Um aviador só é aviador se voar sozinho, se acostumar e desenvolver sua autoconfiança na hora certa, do jeito certo. Ribeirinho assumiu, contou seus sentimentos do momento. Ele é o normal, o correto. O contrário é o ser humano sem medo. Mas um bom aviador não pode ser um destemido. “Por ter maior facilidade com a fonia, os controladores podem ter me enxergado por um piloto mais experiente, não dando tratamento esperado para um aluno em voo solo”, comentou, na época, Ribeirinho. Esse comentário foi o motivador de uma sinergia muito maior entre a EJ e os controladores de voo da torre Jundiaí. Uma iniciativa conjunta entre os coordenadores da EJ e da torre de controle, colaboração que foi muito bem vista pelas autoridades, pois contribui com a segurança de voo em geral. Desde a época foi implantado um tratamento diferenciado, a partir da torre, perante a solicitações aos aviadores, diferenciando os pilotos mais experientes dos novatos. Hoje, quando há tráfego, as solicitações para agilizar, estender e executar uma espera, são direcionados aos mais experientes, reduzindo assim, a carga de trabalho do aluno solo. Ou seja, quando tem um aluno solo próximo do espaço aéreo, o foco passa de maior agilidade no fluxo de tráfego para a criação de maior espaço e liberdade, com menos interferência possível nos voos dos alunos solo. Ao Ribeirinho, nossos parabéns pela atitude, ao Canal Piloto, nossos parabéns por colocar em pauta um assunto tão interessante. Aos controladores, nossos parabéns pela iniciativa. Seguimos com nossa convicção e princípios de ensino, que para formar bons aviadores, nossos alunos devem voar e navegar solo, de verdade. Nós ensinamos as pessoas a voar, e voar é isso.

Tel.: Itápolis-SP: 55 16 3263-9160 - Jundiaí-SP 55 11 4815-1984

São Paulo-SP 55 11 3459-5233 - Campo Verde - MT 55 66-3419-1510