EJ - Escola de Aviação Civil


Notícias

EJ Jundiaí: os destinos comuns para quem navega solo no curso de de piloto privado


Dentro do conteúdo programático da EJ Escola de Aeronáutica, dois destinos são comuns para alunos da unidade Jundiaí que navegam solo durante o curso de piloto privado: Piracicaba e São Carlos. Os voos e navegações solo, além de fazerem parte do regulamento da ANAC - Agência Nacional de Aviação Civil, no Brasil e a FAA - Federal Aviation Administration, nos EUA, é política da EJ. “Só quando o aluno navega solo e voa solo ele se torna um aviador de verdade, qualquer situação diferente disso, com instrutor à bordo, o piloto não cria autoconfiança”, afirma Renan Rocha, diretor operacional da Unidade Jundiaí da EJ.

No curso de piloto privado, entre as 46 horas de voo, o aluno, entre voos locais e navegações, voa 10 horas sozinho. Confira as dicas de alunos que executaram navegações solo para os destinos:

Piracicaba
Dimensões (m): 1.200 x 30
Distância de Jundiaí: 65 milhas náuticas (104 km)



“Antes de navegar solo para Piracicaba, fazemos a mesma navegação com o INVA (Instrutor de voo), que dá todas as dicas e toques. Eu aconselho que preste muita atenção nas dicas do INVA, que estude muito bem a rota e que mantenha o alerta situacional sempre alto, porque dessa vez o aluno está sozinho indo para mais longe. Como o real comandante do avião, tem que sempre estar alerta em questão de coordenação com outras aeronaves, estar pronto em caso de ter que alternar, o que é muito raro, uma vez que verificamos meteorologia antes de ir, mas que pode acontecer. Checklists de emergência em mente, entre outras coisas”, afirma Renata Oliveira, 22, de São Paulo, aluna agora do curso de Piloto Comercial e que já conta com 146 horas de voo.

“O aluno deve sempre coordenar na frequência dos corredores visuais por questões de segurança, não esquecer de levar com ele as cartas necessárias para navegação, de todos os aeródromos do planejamento e a carta dos corredores (REA), deve também se atentar as altitudes dos respectivos aeródromos, e antes de navegar, olhar a meteorologia da rota a ser voada e ver se tem algum NOTAM importante”, recomenda o instrutor Victor Hugo, da unidade Jundiaí.

“Piracicaba deve ser previamente coordenada com Controle Academia, 6 milhas náuticas antes, no través de Pedras (posição no mapa), em razão de lançamentos frequentes de paraquedistas. Caso esteja nessa condição, o aluno por medida de segurança, não pode aproximar do aeródromo. Além disso, Piracicaba dispõe de VAC - Carta de aproximação visual, que deve ser observada”, comenta Paulo Tanoue, 56 anos, que está cursando Piloto Comercial, mas é empresário e pretende manter a aviação como hobby. “Um bom planejamento é indispensável para uma navegação segura”, complementa André Rossato, instrutor.


São Carlos
Dimensões (m): 1.720 x 45
Distância de Jundiaí: 105 milhas náuticas (195 km)



“A diferença entre Piracicaba é que indo para São Carlos você deve ficar atento ao mudar as frequências e chamar o Controle Academia, pois se a área de treinamento militar de Pirassununga estiver ativada, o mesmo pode te pedir um desvio ou mudança de nível. Por isso antes do solo você deve se preparar, estudar todas as possibilidades junto ao INVA e se sentir preparado tanto técnica como psicologicamente”, diz Maria Julia, 19, de Petrópolis-RJ, 89 horas de voo. “Único ponto que me chamou a atenção é a qualidade do asfalto de São Carlos. Por operar jatos maiores acaba deixando em condição bem ruim, o que faz vibrar um pouquinho, mais só isso mesmo a pista é grande, o que garante um pouso tranquilo” afirma Mario Torres, 24, de Franco da Rocha-SP, que já conta com 78 horas totais de voo.

“Nessa missão testamos também nossa resistência física, são 210NM ida e volta de Jundiaí, totalizando cerca de 3 horas de voo solo”, diz Paulo Tanoue. “Em São Carlos, os alunos também devem ficar atentos com as operações de grandes jatos da LATAM, que possui um centro de manutenção no Aeroporto” diz Josué Andrade, diretor da EJ.


Uso de GPS
Na EJ o aluno aprende a navegar usando os recursos como bússola e mapa, a base da navegação aérea. Normalmente os alunos possuem celulares com GPS e aplicativos de navegação aérea, o que é permitido pela EJ. “O ideal é o aluno usar apenas como backup ou no caso de sentir alguma insegurança em sua navegação apenas, porque é necessário treinar a base da navegação, com bússola e mapa”, afirma Josué Andrade.


Outros destinos
Os alunos, durante o curso de Piloto Privado, podem navegar para outros destinos, mas acompanhados de instrutores de voo. No caso de alunos já cursando o Piloto Comercial, outros destinos para navegação solo são incentivados, apenas cumprindo que o aluno deve, previamente, fazer a navegação desejada acompanhado de um instrutor. “Solo é um diferencial da EJ e confesso, não me imaginava nessa missão. No entanto, no decorrer do curso tudo foi evoluindo naturalmente. A escola adota uma metodologia que proporciona ao aluno, além da capacitação e habilidade técnica, segurança emocional de que ele é capaz”, afirma Tanoue. “Ter a consciência de que o mais importante não é a confiança que se está adquirindo, mas a responsabilidade sobre aquilo que está fazendo“, complementa.


Fotos aéreas: reprodução Google Earth

Publicado em 02/03/2018


Vídeo: conheça nossos aviões,
simuladores, infraestrutura e saiba
mais sobre a nossa escola

Confira o vídeo


    Mural Informativo


  • Vídeo: entrevistamos ex-instrutores da EJ

     Assista ao vídeo do encontro de ex-instrutores da EJ, que ocorreu na unidade Jundiaí da escola.

  • Membro Honorário: carteirinha lançada

    Foi lançada a Carteirinha de Membro honorário EJ. Foi criado exclusivamente para ex-instrutores da escola, por fazerem parte da história da maior Escola de aviação da América Latina. Vantagens de ser membro honorário: - Desconto de 40% no valor da hora de voo (tabela normal) para recheques; - Prioridade e agilidade nos recheques; - Desconto especial aos alunos indicados pelo Membro honorário EJ; - Com a apresentação do cartão, acesso geral em todas as unidades EJ para visitação, etc.

  • Jogou tudo para o ar e foi ser piloto

    Sem parentes na aviação que o incentivasse, e uma família para criar, uma vontade exótica veio em sua cabeça: chutar uma faculdade, duas pós graduações no exterior e bom salário garantido, tudo para o alto. Além de gastar as reservas em cursos de pilotagem de aviões para iniciar em uma nova profissão, começando tudo de novo. “É aquele lance da paixão, que você não olha muito a razão”. Todos os dias, Clovis Martins Costa Filho acordava cedo, ajustava o nó na gravata, dava um beijo na esposa, nos dois filhos bem novinhos, e se dirigia a um conceituado escritório de advocacia, onde era coordenador, em Campinas, sua cidade natal. Isso era em 2011, ele tinha 31 anos e já havia alcançado a tão almejada estabilidade financeira. Além do ótimo posicionamento, tinha boas perspectivas profissionais. Entre as rotinas de processos, de audiências, de cuidar da esposa e brincar com os filhos, sempre que sobrava algum tempinho, pesquisava assuntos de aviação, seu interesse desde a infância. Geralmente terminava vendo vídeos de pousos e decolagens no youtube. “Decisões como essa nunca são fáceis. Na verdade, as pessoas no começo não te levam a sério”, conta Clovis sobre a guinada na profissão que havia conquistado com bastante esforço. Logo quando terminou o ensino médio, incentivado financeiramente pelos pais, começou a estudar direito da PUC - Pontifícia Universidade Católica, de Campinas, para o curso de direito e logo depois de formado foi aprovado na OAB - Ordem dos Advogados do Brasil. Buscando melhores colocações no direito, seguiu para Portugal para fazer uma pós graduação na Universidade de Lisboa, em contratos e arbitragem internacional, onde permaneceu estudando por um ano. Para custear sua pós, morava em um apartamento com outros dois estudantes, trabalhou em um McDonalds e fazia horas extras em mais um outro restaurante, como garçom. “Vivi com poucos recursos. Eu não queria envolver meus pais nesta decisão de morar fora do país”, relembra. Logo que voltou de Lisboa, se inscreveu em um programa de bolsas de estudo da Espanha patrocinado pelo Banco Santander e foi um dos selecionados para as duzentas vagas destinadas para América Latina do programa. Morou em Madrid por um ano e fez sua segunda pós na Universidade de Alcalá, onde se especializou em marcas e propriedades intelectuais, ramo também do direito empresarial. Quando voltou de Madrid, casou-se e logo arrumou emprego no departamento jurídico de uma empresa, e pelo seu destaque, foi convidado a trabalhar em um grande escritório, atendendo empresas proeminentes da região. “Tenho grande apreço e respeito pelo direito, em parte ajudou a pagar minha formação”, afirma. Sedento por livros e conhecimento, começou, ainda enquanto atuava como advogado, a estudar por conta para o curso de piloto privado, sem estar em uma escola homologada, não necessário para prestar a prova da ANAC no curso inicial. “Foi uma maneira que encontrei de ver se realmente eu queria aquilo”. Aprovado na agência, matriculou-se no Aeroclube de Campinas, onde fez algumas horas práticas. Conversando com outros alunos e amigos, resolveu trocar de escola. “Se você quiser avançar logo na carreira, melhor ir para a EJ, você vai conseguir voar mais”, falaram. Na EJ terminou seu curso de piloto privado e em menos de dois anos já estava com todos os cursos profissionalizantes finalizados, inclusive o de instrutor de voo. Na época, enquanto estudava aviação, ainda dava algumas consultorias em direito empresarial. Formado, enquanto aguardava na fila a oportunidade para se tornar instrutor de voo prático, começou a dar aulas para os cursos teóricos da EJ, principalmente Regulamentação da Aviação Civil, a área que mais se aproximava de sua especialidade anterior. “Meu alicerce na minha formação pela aviação foi minha esposa”, diz. Depois de um ano apenas ministrando aulas teóricas, iniciou na instrução de voo prática, que é um dos modos para se conseguir experiência e horas de voo para estar apto para atuar em uma grande empresa área. Como instrutor, voou por três anos, onde acumulou aproximadamente 1000 horas nos Cessnas 152, 172 e Tupi, experiência o suficiente para encarar desafios maiores na aviação. Na EJ ensinava voo VRF, IFR, além de dar aulas em simuladores de voo e Garmin 1000. “Meu tempo na instrução foi muito engrandecedor. Me realizei como instrutor. Gostava muito de dar aula, gosto na verdade.”. Depois de 9 anos de aviação, aos 40, Clovis foi contratado para ser copiloto de Airbus A319, 20 e 21, na Latam. Neste momento está fazendo treinamentos em simuladores estáticos, logo começa em simuladores oficiais, e em outubro já deve começar sua instrução em rota, já com passageiros, até se formar, internamente, copiloto pleno. “O sonho da aviação era desde criança, mas achava que não era para mim”, resume sua história. A EJ deseja a Clovis boa sorte em sua carreira, bons voos, e agradece o tempo dedicado ao ensino.

Homologação ANAC
Número 051

DOU 03/05/18

QUALIDADE
ISO 9001:2008

Tel.: Itápolis-SP: 55 16 3263-9160 - Jundiaí-SP 55 11 4815-1984

São Paulo-SP 55 11 3459-5233 - Campo Verde - MT 55 66-3419-1510