EJ - Escola de Aviação Civil


Notícias

Gustavo entrou em um avião de grande porte pela primeira vez. Ele fez parte da tripulação


Quando na última sexta-feira Gustavo Gorni, 25, instrutor da EJ contratado pela Latam, chegou ao aeroporto de Congonhas, em São Paulo, pouco mais de uma hora antes da decolagem, às 5 da manhã, ele encontrou um Airbus A320 e passageiros da companhia o esperando. O destino de seu voo era Goiânia. Depois dos briefings, devidas apresentações de todos envolvidos com o voo e checks externos da aeronave, às 6h20, pontualmente, o avião decolou como programado. Gustavo fez parte da tripulação da aeronave, e como de praxe para os recém contratados de companhias aéreas, após o curso teórico e simuladores internos na empresa, Gustavo fez o voo no jump seat, terceiro assento de tripulantes na cabine. Ele deverá fazer mais dois voos nesta posição antes de assumir o assento direito, do copiloto, e continuar sua instrução inicial.

Foi a primeira vez que ele subiu em um avião a jato de grande porte, o que seria incomum para a grande maioria das pessoas que chegam a este cargo, mas não para Gustavo: a primeira vez que ele voou, há quatro anos, ele já havia passado na prova teórica da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) para ser piloto. Foi em um dos Cessnas 152 da EJ, avião de instrução inicial da escola e era a PS01, a primeira aula de pilotagem. “Quando eu entrei em um avião pela primeira vez eu apaixonei de verdade e era isso que eu queria”, afirma.

A decisão de investir na carreira do filho foi difícil para Mauro, na época trabalhando como frentista de posto de gasolina, e Sirlei, funcionária da autoescola Nogueira, da mesma família do Despachante Nogueira, onde trabalhava Gustavo, como office boy, em Matão, sua cidade natal. A difícil decisão de Mauro e Sirlei girava em torno da venda da casa, a única da família. Por questões de má fé o imóvel acabou indo para leilão. Antes de decidir o destino do dinheiro conversaram com Gustavo. “Eles me perguntaram se era realmente eu queria, jogaram a real, que não tinham dinheiro, que iam investir tudo”, relembra. Gustavo, confiante, convenceu seus pais a apostarem todas suas fichas em seu sonho e transformou essa iniciativa em motivação.

Sua resposta afirmativa foi devido ao fato que mesmo morando em uma cidade onde praticamente não há aviação, ele já tinha um fascínio pelo voo desde criança. “Os meus brinquedos preferidos eram os aviões, o assunto aviação sempre me despertava curiosidade”, conta. “No último ano do ensino médio, ano em que chegasse à hora de escolher o caminho e os vestibulares a prestar, eu era um dos poucos que não conseguia fazer a escolha. Então pesquisei mais sobre o mundo da aviação e por indicações de um primo fui até a EJ conhece-la”, complementa.

Logo após o curso de piloto privado, Gorni iniciou o teórico de piloto comercial pela manhã em Itápolis, curso com duração quatro meses. “Pegava estrada todo dia, acordava cedo, e após a aula voltava para trabalhar no escritório de despachante, eu descontava no horário de almoço e saia mais tarde”, diz. A parte prática do piloto comercial ele fez voando apenas aos fins de semana, pois precisava trabalhar para ajudar no sustento da família e no custeio do curso.

Formado piloto comercial, especializou-se fazendo o curso de instrutor de voo. Com as habilitações na mão, manteve-se trabalhando no despachante, onde aguardou na fila por um ano e meio a oportunidade para ser instrutor de voo da escola. “Fui chamado a realizar o processo seletivo da EJ. Aprendi muito, pois se assemelha com de algumas empresas aéreas e exige um preparo do candidato”, conta.

“Ao ser contratado, passei por um treinamento interno o qual me preparou para todas as possíveis situações que possam acontecer na posição de INVA. Desde do inicio sempre fui encorajado a evoluir na escola, voando novos equipamentos, regras de vôo diferentes e também a ministrar aulas teóricas”, afirma Gustavo. “O instrutor da EJ é sempre encorajado para não ser estagnado, para manter os estudos e compreender que novos desafios são essenciais para o desenvolvimento profissional”, complementa.

Por pouco mais de dois anos, Gorni voou 1300 horas como instrutor de voo. “Ser instrutor faz você procurar conhecimento dos mínimos detalhes da aeronave, regulamentação, leis que regem a aerodinâmica do voo, além de inconscientemente melhorar o CRM (gerenciamento de cabine), consciência situacional, liderança, fatores que são essenciais ao voo”, afirma.

Logo Gorni chegou ao posto de chefe de instrução da unidade Itápolis, e em seu último projeto dentro da escola, ele liderou a implantação do RNAV (Rotas de navegação aérea). “Algo que renovou a instrução aérea, pois consiste em treinamento das últimas técnicas de pilotagem que existem”, afirma. “Algo complexo, porém que remete ao futuro, economia, sustentabilidade e o mais importante, segurança de voo”.

Em breve Sirlei e Mauro também farão uma viagem. Será também para eles a primeira vez que voarão em um aeronave de grande porte. “Eles querem fazer uma rota em que eu esteja como piloto”, finaliza Gustavo.

A EJ agradece a Gorni todo o tempo dedicado ao ensino e deseja sucesso em seu novo passo.





Gorni voando com sua família em Matão, quando seus pais voaram pela primeira vez. O voo foi em um Cessna 172 da EJ.



Publicado em 22/03/2018


Vídeo: conheça nossos aviões,
simuladores, infraestrutura e saiba
mais sobre a nossa escola

Confira o vídeo


    Mural Informativo


  • Vídeo: entrevistamos ex-instrutores da EJ

     Assista ao vídeo do encontro de ex-instrutores da EJ, que ocorreu na unidade Jundiaí da escola.

  • Membro Honorário: carteirinha lançada

    Foi lançada a Carteirinha de Membro honorário EJ. Foi criado exclusivamente para ex-instrutores da escola, por fazerem parte da história da maior Escola de aviação da América Latina. Vantagens de ser membro honorário: - Desconto de 40% no valor da hora de voo (tabela normal) para recheques; - Prioridade e agilidade nos recheques; - Desconto especial aos alunos indicados pelo Membro honorário EJ; - Com a apresentação do cartão, acesso geral em todas as unidades EJ para visitação, etc.

  • Jogou tudo para o ar e foi ser piloto

    Sem parentes na aviação que o incentivasse, e uma família para criar, uma vontade exótica veio em sua cabeça: chutar uma faculdade, duas pós graduações no exterior e bom salário garantido, tudo para o alto. Além de gastar as reservas em cursos de pilotagem de aviões para iniciar em uma nova profissão, começando tudo de novo. “É aquele lance da paixão, que você não olha muito a razão”. Todos os dias, Clovis Martins Costa Filho acordava cedo, ajustava o nó na gravata, dava um beijo na esposa, nos dois filhos bem novinhos, e se dirigia a um conceituado escritório de advocacia, onde era coordenador, em Campinas, sua cidade natal. Isso era em 2011, ele tinha 31 anos e já havia alcançado a tão almejada estabilidade financeira. Além do ótimo posicionamento, tinha boas perspectivas profissionais. Entre as rotinas de processos, de audiências, de cuidar da esposa e brincar com os filhos, sempre que sobrava algum tempinho, pesquisava assuntos de aviação, seu interesse desde a infância. Geralmente terminava vendo vídeos de pousos e decolagens no youtube. “Decisões como essa nunca são fáceis. Na verdade, as pessoas no começo não te levam a sério”, conta Clovis sobre a guinada na profissão que havia conquistado com bastante esforço. Logo quando terminou o ensino médio, incentivado financeiramente pelos pais, começou a estudar direito da PUC - Pontifícia Universidade Católica, de Campinas, para o curso de direito e logo depois de formado foi aprovado na OAB - Ordem dos Advogados do Brasil. Buscando melhores colocações no direito, seguiu para Portugal para fazer uma pós graduação na Universidade de Lisboa, em contratos e arbitragem internacional, onde permaneceu estudando por um ano. Para custear sua pós, morava em um apartamento com outros dois estudantes, trabalhou em um McDonalds e fazia horas extras em mais um outro restaurante, como garçom. “Vivi com poucos recursos. Eu não queria envolver meus pais nesta decisão de morar fora do país”, relembra. Logo que voltou de Lisboa, se inscreveu em um programa de bolsas de estudo da Espanha patrocinado pelo Banco Santander e foi um dos selecionados para as duzentas vagas destinadas para América Latina do programa. Morou em Madrid por um ano e fez sua segunda pós na Universidade de Alcalá, onde se especializou em marcas e propriedades intelectuais, ramo também do direito empresarial. Quando voltou de Madrid, casou-se e logo arrumou emprego no departamento jurídico de uma empresa, e pelo seu destaque, foi convidado a trabalhar em um grande escritório, atendendo empresas proeminentes da região. “Tenho grande apreço e respeito pelo direito, em parte ajudou a pagar minha formação”, afirma. Sedento por livros e conhecimento, começou, ainda enquanto atuava como advogado, a estudar por conta para o curso de piloto privado, sem estar em uma escola homologada, não necessário para prestar a prova da ANAC no curso inicial. “Foi uma maneira que encontrei de ver se realmente eu queria aquilo”. Aprovado na agência, matriculou-se no Aeroclube de Campinas, onde fez algumas horas práticas. Conversando com outros alunos e amigos, resolveu trocar de escola. “Se você quiser avançar logo na carreira, melhor ir para a EJ, você vai conseguir voar mais”, falaram. Na EJ terminou seu curso de piloto privado e em menos de dois anos já estava com todos os cursos profissionalizantes finalizados, inclusive o de instrutor de voo. Na época, enquanto estudava aviação, ainda dava algumas consultorias em direito empresarial. Formado, enquanto aguardava na fila a oportunidade para se tornar instrutor de voo prático, começou a dar aulas para os cursos teóricos da EJ, principalmente Regulamentação da Aviação Civil, a área que mais se aproximava de sua especialidade anterior. “Meu alicerce na minha formação pela aviação foi minha esposa”, diz. Depois de um ano apenas ministrando aulas teóricas, iniciou na instrução de voo prática, que é um dos modos para se conseguir experiência e horas de voo para estar apto para atuar em uma grande empresa área. Como instrutor, voou por três anos, onde acumulou aproximadamente 1000 horas nos Cessnas 152, 172 e Tupi, experiência o suficiente para encarar desafios maiores na aviação. Na EJ ensinava voo VRF, IFR, além de dar aulas em simuladores de voo e Garmin 1000. “Meu tempo na instrução foi muito engrandecedor. Me realizei como instrutor. Gostava muito de dar aula, gosto na verdade.”. Depois de 9 anos de aviação, aos 40, Clovis foi contratado para ser copiloto de Airbus A319, 20 e 21, na Latam. Neste momento está fazendo treinamentos em simuladores estáticos, logo começa em simuladores oficiais, e em outubro já deve começar sua instrução em rota, já com passageiros, até se formar, internamente, copiloto pleno. “O sonho da aviação era desde criança, mas achava que não era para mim”, resume sua história. A EJ deseja a Clovis boa sorte em sua carreira, bons voos, e agradece o tempo dedicado ao ensino.

Homologação ANAC
Número 051

DOU 03/05/18

QUALIDADE
ISO 9001:2008

Tel.: Itápolis-SP: 55 16 3263-9160 - Jundiaí-SP 55 11 4815-1984

São Paulo-SP 55 11 3459-5233 - Campo Verde - MT 55 66-3419-1510